XVII Simpósio Nacional de Geografia Urbana (SIMPURB)

XVII Simpósio Nacional de Geografia Urbana (SIMPURB)

O XVII Simpósio Nacional de Geografia Urbana (SIMPURB), ocorrerá presencialmente em Curitiba entre os dias 11 e 15 de novembro de 2022. 

A submissão de trabalhos está aberta até 17 de maio e o início das inscrições para a participação no evento será no mês de junho. Outras informações podem ser encontradas no site ou pelas redes sociais (Facebook e Instagram: @simpurb).

FRONTIER ZONES INTERNATIONAL WINTER SCHOOL – AMAZONIA 2022

FRONTIER ZONES INTERNATIONAL WINTER SCHOOL – AMAZONIA 2022

Estão abertas até 15 de maio de 2022 as inscrições para a FRONTIER ZONES INTERNATIONAL WINTER SCHOOL – AMAZONIA 2022 para alunos de graduação e pós-graduação de todo o Brasil, dos cursos de Arquitetura e Urbanismo, Cinema, Estudos Culturais, Psicologia, Música, Artes, Design, Ciências Sociais, Geografia, Jornalismo e áreas afins.

Trata-se de um workshop sobre o uso e produção do filme documentário como meio de leitura e expressão de dinâmicas urbanas, a ser realizado entre 25 de julho e 5 de agosto de 2022, em Manaus AM, em uma parceria entre o Instituto de Arquitetura e Urbanismo da USP, a Leuphana Universität e a Film University Babelsberg Konrad Wolf, da Alemanha, e a Universidade Federal do Amazonas, com financiamento do DAAD. Após 2015 e 2017, esta é a terceira International Winter School do projeto realizada no Brasil.

 

Mais informações no LINK ou pelo e-mail frontierzones@gmail.com.

LINK para o formulário de inscrição

Sessão Prévia XIX ENANPUR

Sessão Prévia XIX ENANPUR

Saídas da crise sanitária e o campo do planejamento urbano e regional
 
Mediação: Fabrício Leal de Oliveira IPPUR/UFRJ

Expositora – Ana Cristina Fernandes PPGeo/UFPE
Expositor – Clóvis Ultramari PLURD/CAPES e PPGTU/PUCPR
Expositora – Olga Lúcia Castreghini de Freitas Firkowski PPGGEO e PPU/UFPR
Data: 20 de abril de 2022
Hora: 18h45m-20h45m
Transmissão: Canal do XIX ENANPUR
 
Não perca esta transmissão, inscreva-se no canal do XIX ENANPUR

 

4a edição CINEMA URBANA

4a edição CINEMA URBANA

Veja o comunicado da equipe organizadora.

“Cinema Urbana – Mostra Internacional de Cinema de Arquitetura já está preparando a sua 4a edição, que vai acontecer em agosto de 2022. A mostra exibe filmes nos gêneros documentário, ficção e experimental nos quais a arquitetura e as cidades são protagonistas. Mas a cidade não foi sempre o principal cenário e tema dos filmes, desde a origem do cinema? A cidade e a arquituetura foram, não somente inspiração, mas estabeleceram as bases e o suporte para o surgimento do cinema, assim como, a cidade deve muito ao cinema. É possível dizer que um não existe sem o outro!
Entre essas indagações, Cinema Urbana convida a todas a explorar, ver, sentir e ouvir sobre cidades, arquiteturas, arquitetos, habitantes de cidades de vários lugares do mundo.
Já foram exibidos na Mostra mais de uma centena de filmes de mais de 70 países, com uma programação diversa que conta com palestras, seminários, painéis de debates, homenagens, visitas guiadas e exibições ao ar livre que são uma verdadeira experiência cinematográfica.

As inscrições para filmes estão abertas até o dia 15 de abril de 2022 pela plataforma filmfreeway.com

Esse ano a Cinema Urbana vai realizar a 2a edição do Seminário de Arquitetura e Cinema, onde serão apresentados artigos científicos que divulgam pesquisas relacionadas à essa interseção entre arquitetura, cidades e cinema. Na primeira edição os melhores artigos foram publicados em um dossiê temático do Periódico Paranoá – Cadernos de Arquitetura e Urbanismo do Programa de Pós-Graduação da FAU/UnB, e podem ser acessados aqui. Os artigos são apresentados na sala de cinema, onde é possível exibir trechos dos filmes relacionados às pesquisas. E neste ano o Seminário terá formato híbrido, ampliando a possibilidade de participação e debate.

As submissões de artigos estão abertas até o dia 01 de junho de 2022, e o formulário e template para envio do artigo completo estão disponíveis no site cinemaurbana.com

Nos vemos em agosto!

Equipe Cinema Urbana”

SBPC realiza Jornada no Dia Internacional da Mulher

SBPC realiza Jornada no Dia Internacional da Mulher

Objetivo do evento virtual é discutir as várias dimensões da mulher no contexto atual, dar maior visibilidade e, ao mesmo tempo, incentivar a fazer parte da carreira acadêmica. Ao todo serão 12 horas de atividades com mesas-redondas, painéis e conferências no dia 8 de março
 

Para comemorar o Dia Internacional da Mulher, no dia 8 de março, a Sociedade Brasileira para o Progresso da Ciência (SBPC) realizará uma jornada com 12 horas de atividades com mesas-redondas, painéis e conferências. Toda a programação será transmitida pelo canal da SBPC no YouTube.

Segundo Fernanda Sobral, vice-presidente da entidade, o objetivo do evento virtual é discutir as várias dimensões da mulher no contexto atual, dar maior visibilidade ao trabalho realizado por elas e, ao mesmo tempo, incentivar as mulheres a fazerem parte da carreira acadêmica. “Nós sabemos que elas precisam desse estímulo para entrarem na carreira acadêmica e de maior visibilidade”.

De acordo com Sobral, o evento se iniciará com a mesa-redonda intitulada “8 mulheres e a SBPC”, que contará com a participação da secretária-executiva da SBPC, Eunice Personini, mais conhecida como Nicinha, e das sete mulheres que fazem parte da Diretoria da entidade falando sobre suas carreiras e atuação na SBPC. Durante a atividade, Nicinha falará sobre as três mulheres presidentes da SBPC — Carolina Bori, Glaci Zancan e Helena Nader —, em seus mandatos. O evento será encerrado das 19h às 20h com o lançamento do Grupo de Trabalho da SBPC — “Mulheres Cientistas” (GTMC-SBPC), coordenado por Vanderlan Bolzani.

Miriam Grossi, diretora da SBPC, ressalta que a gestão atual da entidade quer, através de ações como a Jornada, mostrar (e inspirar) a outras sociedades que a entidade tem um profundo engajamento com a equidade de gênero no campo da ciência. “Nossa Diretoria é composta por sete mulheres e acreditamos que as questões de gênero na ciência e que a presença e a valorização das mulheres na ciência são fundamentais nesse momento político atual. As mulheres são mais da metade das cientistas brasileiras, mas elas ainda estão à margem dos espaços de poder no campo associativo e de gestão da ciência”, explica.

O 8 de março foi oficializado em 1975 pela ONU como o Dia Internacional da Mulher e, segundo Grossi, há controvérsias sobre a origem, mas que, independentemente disso, a data é um dia de mobilização. “8 de março sempre foi um dia de luta e nós mulheres cientistas e a SBPC estamos junta em diversas batalhas, como por exemplo, por mais recursos e valorização da ciência e pelo aumento das bolsas para mestrado, doutorado e pós-doutorado, que são fundamentais para a formação das novas gerações de cientistas no Brasil. A maternidade é outra questão central a ser debatida, já que ela precisa ser reconhecida como um fator de influência na carreira. E isso é parte da vida social, por isso precisamos criar condições para o bem-estar das pesquisadoras mães, dar condições de apoio”, explica.

Laila Salmen Espindola, diretora da SBPC, também chama a atenção de que ainda há poucas mulheres e mães à frente de cargos-chaves em instituições de ensino e pesquisa, em empresas e na política. “Mesmo que as mulheres representem a maior parte de cientistas no Brasil de hoje, quanto mais alto na hierarquia, mais prevalece a presença masculina. Mulher precisa ocupar posições. O mundo para ser melhor, precisa de equidade de gênero em todos os lugares. A diversidade em todas as suas formas é que faz a beleza do mundo. A diversidade reunida às “heranças” pessoais de cada um é que encanta e inspira os diálogos que levam as descobertas e ao desenvolvimento da ciência”, comenta ao explicar a motivação do tema para a Jornada.

Espindola salienta ainda que cada Dia Internacional das Mulheres, representa uma ótima oportunidade, certamente política, de debater as reivindicações por igualdade de direitos e oportunidades. “O sistema de ideias enraizado e vigente nas culturas mundo afora é uma mentalidade para relegar as mulheres a uma posição secundária. Aliás, a situação é ainda mais grave, quando assistimos o sistema justificar a agressão contra mulheres, em suas diferentes formas físicas e psicológicas”, comenta.

 

PROGRAMAÇÃO

8h00 às 9h00 – Mesa de abertura “8 Mulheres e a SBPC”

Mulheres na história da SBPC

Eunice Maria Fernandes Personini – Nicinha

Mulheres da Diretoria atual da SBPC

Fernanda Sobral (UnB)

Claudia Linhares Sales (UFC)

Miriam Grossi (UFSC)

Laila Salmen Espindola (UnB)

Francilene Procópio Garcia (UFCG)

Marimélia Porcionatto (UNIFESP)

Ana Tereza Vasconcelos (LNCC)

Da beleza molecular dos Produtos Naturais a Poesia nas Horas Vagas, tudo tem arte

Vanderlan Bolzani (IQ-Ar Unesp)

Apresentação musical

 

9h às 10h20 – Mesa-redonda “Eu não ando só” – Premiadas no Prêmio Carolina Bori Ciência & Mulher

Mediadora: Miriam Grossi (UFSC/SBPC)

Participantes: Gulnar Azevedo e Silva, epidemiologista (UERJ)

Beatriz Leonor Silveira Barbuy, astrônoma (USP)

Nilma Lino Gomes, educadora e antropóloga (UFMG)

Alice Rangel de Paiva Abreu, socióloga (UFRJ)

Helena Bonciani Nader, biomédica (UNIFESP/SBPC/ABC – a confirmar)

 

10h20 às 10h30 – Apresentação artística

 

10h30 às 12h00 – Mesa-redonda “A importância de uma Política dirigida para Mulheres na Ciência e Tecnologia”

Mediação: CNPq

Participantes: Deputada Celina Leão (PP/DF), Coordenadora-geral da Bancada Feminina da Câmara dos Deputados

Fernanda Sobral (UnB/SBPC)

Luciana Tatagiba (Rede Brasileira de Mulheres Cientistas)

Miriam Grossi (UFSC/SBPC/Conselho Deliberativo do CNPq)

Christiane Gonçalves Corrêa (MCTI – a confirmar)

 

12h00 às 13h00 – Apresentação artística

 

13h00 às 14h00 – Mesa-redonda “Conhecimento dos Povos e das Comunidades Tradicionais”

Mediadora: Laila Salmen Espindola (UnB/SBPC)

Participantes: Lucely Pyo, raizeira, Quilombo do Cedro em Mineiros, Goiás

Claudia Sala de Pinho (Coordenadora da Rede de Comunidades Tradicionais Pantaneira e Conselheira CNPCT/CGen)

14h00 às 15h00 – Mesa-redonda “Bate-Papo Meninas nas Ciências – Premiadas no Prêmio Carolina Bori”

Mediadora: Fernanda Sobral (UnB/SBPC)

Participantes: Raquel Soares Bandeira – estudante da Enfermagem da UFMG

Nallanda Victoria dos Santos Martins – estudante de Fonoaudiologia da UFS

Julia Bondar – Spring Health, Nova Iorque

Nayara Stefanie Mandarino Silva – Mestrado em Letras na UFPR

 

15h00 às 15h10 – Apresentação artística

 

15h10 às 16h00 – Conferência “Uma trajetória de vida centrada no prazer da linguagem: motivações e inspirações, foco e trabalho”

Apresentadora: Laila Salmen Espindola (UnB/SBPC)

Conferencista: Maria Helena Moura Neves – linguista, especialista em gramática, a partir da experiência grega da linguagem, UNESP e UPM – Vencedora da primeira edição do Prêmio Ester Sabino, Secretaria de Desenvolvimento Econômico do Estado de São Paulo

 

16h00 às 16h40 – Mesa-redonda “Ciência e Dança”

Mediadora: Laila Salmen Espindola (UnB/SBPC)

Participantes: Licia H. Mota – médica e bailarina (UnB)

Alexandra Alencar – antropóloga e dançarina (UFSC)

 

16h40 às 17h00 – Apresentação artística – Licia Mota e Alexandra Alencar

17h00 às 17h50 – Mesa-redonda “Mulheres na ciência STEM – Ciência, Tecnologia, Engenharias e Matemática”

Mediadora: Vanderlan Bolzani (IQAr Unesp)

Participantes: Jaqueline Godoy Mesquita (UnB/ABC/SBM)

Tatiana Roque (UFRJ)

Débora Menezes (UFSC/SBF)

 

17h50 às 18h00 – Apresentação artística

 

18h às 18h50 – Mesa-redonda “O caminho na política: a mulher no Parlamento”

Mediadora: Céli Pinto (UFRGS)

Participantes: Jandira Feghali (PCdoB – a confirmar)

Luiza Erundina (PSOL – a confirmar)

Maria do Rosário (PT – a confirmar)

Professora Dorinha Seabra Rezende (DEM – a confirmar)

 

18h50 às 19h00 – Apresentação artística

 

19h00 às 19h50 – Lançamento do Grupo de Trabalho Mulheres Cientistas da SBPC – GTMC-SBPC

Coordenadora: Vanderlan da Silva Bolzani (IQAr UNESP)

Participantes: Selma Maria Bezerra Jerônimo – médica e bióloga (UFRN)

Maria Teresa Fernandez Piedade – bióloga (INPA)

Márcia Foster Mesko – química (UFPel)

Marilia Valli – química (USP-São Carlos)

Joana Maria Pedro – historiadora (UFSC)

 

19h50 às 20h – Apresentação musical

 

Transmissão pelo canal da SBPC no YouTube.

SBPC

Chamada de Trabalhos para o Seminário Divided Cities

Chamada de Trabalhos para o Seminário Divided Cities

DIVIDED CITIES

CALL FOR ABSTRACTS – 01 FEBRUARY 2022

Introducing the first edition of The City is [Not] a Tree: The Urban Ecologies of Divided Cities in collaboration with Tshwane University of Technology, South Africa, IEREK is proud to announce that the conference will be held as hybrid conference from 5 to 7 July 2022, choose to attend physically in South Africa, or online from the comfort of your home country.

THE CITY IS [NOT] A TREE creates awareness of the problems that cause spatialphysicalpolitical, socialeconomicracialreligious divisions in cities. Architects, planners, built environment professionals, social and political scientists, economists, designers and artists will come together to discuss the reasons for the divisions as well as to conceptualise an approach to heal those divisions. The conference involves developers, local authorities, and communities in the conversation.

The fuller conception of the nature of divisions in cities means that effective principles and strategies can start to be formulated towards healing and transformation into livable and loveable places, which are a ‘home’ to more integrated communities, cities and a more just and unified society.

We are laying the ground for the possibilities of a new commons, new social and physical formations, seeking ways to work meaningfully for societal advantage. We explore the different kinds of approaches, tools and possibilities that may be learned between different actors, knowledges and disciplines.

The conference unpacks two possible conditions:

The city is a tree – the city reproducing itself (more walls, more divisions)

The city is not a tree – the city remaking itself anew (an alternative condition)