Novo Livro: Para Além da Sala de Aula. Extensão Universitária e Planejamento Urbano e Regional

Novo Livro: Para Além da Sala de Aula. Extensão Universitária e Planejamento Urbano e Regional

Está disponível para download o livro “Para Além da Sala de Aula. Extensão Universitária e Planejamento Urbano e Regional”. Fruto das discussões ocorridas no XVII ENANPUR, o livro, organizado pelos ex-diretores Camila D’Ottaviano (FAUUSP) e João Rovati (UFRGS), procura investigar o papel e os desafios da Extensão Universitária na área do Planejamento Urbano e Regional no Brasil.

Para acessar o livro, basta visitar a seção de Publicações em nosso site.

A ANPUR esteve presente na Reunião do GPEAN – Global Planning Education Association Network

A ANPUR esteve presente na Reunião do GPEAN – Global Planning Education Association Network, que ocorreu durante a 57a Conferência da ACSP – Association of Collegiate Schools of Planning, de 12 a 15 de outubro de 2017 em Denver, EUA. O GPEAN  é uma entidade formada por onze associações de programas universitários na área de planejamento urbano e regional ao redor do mundo, incluindo a ANPUR, cujo principal objetivo é promover o intercâmbio internacional do ensino e pesquisa da área.

Além da publicação da Revista Dialogues in Urban and Regional Planning, o GPEAN é responsável pela organização do WPSC – World Planning Schools Conference a cada cinco anos. A ANPUR foi representada pelo seu presidente, Prof. Eduardo Nobre, que foi indicado como o coordenador da Comissão Organizadora do próximo WPSC em 2021.

 

Reunião do GPEAN, Escola de Desenho Ambiental, Campus Boulder, Universidade do Colorado, EUA. Autor: Bruce Stiftel, 2017

Comitê Coordenador do GPEAN, Montanhas Rochosas, Colorado, EUA. Autor: Bruce Stiftel, 2017.

 

 

 

 

 

Carta de apoio da Diretoria da ANPUR à UERJ, seus professores, alunos e funcionários

A Associação Nacional de Pós-Graduação e Pesquisa em Planejamento Urbano e Regional (ANPUR), por meio da sua Diretoria, vem se solidarizar com os professores, os alunos e os funcionários da Universidade do Estado do Rio de Janeiro (UERJ). A crise da UERJ é um golpe duro na democracia brasileira, promovendo a destruição de décadas de trabalho e dedicação ao ensino, à pesquisa e à extensão. A sociedade brasileira, em particular a fluminense e a carioca, são as principais prejudicadas. Esta carta tem o propósito de apoiar a luta dos colegas e trabalhadores da UERJ e também conscientizar toda a comunidade acadêmica sobre o que está em jogo na universidade pública brasileira no momento em que se promove o desmonte daquela universidade.

O caso UERJ não é isolado. Avançam as medidas de corte de gastos que podem culminar na extinção da universidade, logo depois desta ter vivido um importante processo de expansão.

O estado do Rio de Janeiro foi, até recentemente, um importante laboratório de inclusão social por meio da ampliação do acesso ao ensino, à pesquisa e à extensão em universidades públicas e de qualidade. Isso atraiu novos atores às disputas políticas, pois muitos deles lidavam diretamente com as demandas da população na ausência de políticas públicas continuadas. No que tange especialmente à UERJ, esta foi pioneira na implantação do sistema de cotas raciais (Lei nº 3524/2000), num momento em que apenas 4% da população brasileira (dados de 1997), constituída de pardos e negros, tinham acesso à universidade. Esse pioneirismo foi de encontro aos interesses das elites, que temem perder o controle das instituições de ensino. Reconcentrar os recursos públicos nas áreas privilegiadas é uma forma de abortar esse projeto de inclusão e reforçar novamente o processo de discriminação.

O que está em jogo no caso da UERJ, portanto, é um projeto de universidade pública voltado à inclusão social, um projeto que passou a criar acesso ao ensino superior e a gerar benefícios concretos, por meio da formação intelectual, profissional e crítica, para camadas sociais da população brasileira historicamente alijadas do acesso ao conhecimento científico. Tal projeto também permitiu o acesso a uma universidade identificada com as demandas das populações menos assistidas pelo Estado. É este projeto que está sendo atacado e com ele todos os demais projetos acadêmicos e de inclusão, programas e planos de uma universidade voltada para o cidadão e para a produção científica de excelência no Brasil.

A extinção da UERJ seria mais um duro golpe na democracia brasileira.

Por estes motivos, a Diretoria da ANPUR presta apoio e solidariedade aos professores, alunos e funcionários da UERJ nesse momento difícil para a universidade brasileira.

Para acessar a carta original click no link

Reunião da Diretoria

No dia 4 de setembro de 2017, na cidade de São Paulo, SP, reuniram-se os membros da Diretoria da Associação Nacional de Pós-Graduação e Pesquisa em Planejamento Urbano e Regional (ANPUR) para a sua primeira reunião da Gestão 2017-2019.

Clique para acessar a ata da reunião

 

Autora: Olga Firkowski

Autor: Eduardo Nobre