I CILITUR – COLÓQUIO NACIONAL SOBRE CIDADES LITORÂNEAS E TURISMO

I CILITUR – COLÓQUIO NACIONAL SOBRE CIDADES LITORÂNEAS E TURISMO

O Programa de Pós-Graduação em Desenvolvimento Urbano (MDU) sediado no Departamento de Arquitetura e Urbanismo da Universidade Federal de Pernambuco (UFPE) realizará o I CILITUR – COLÓQUIO NACIONAL SOBRE CIDADES LITORÂNEAS E TURISMO – na cidade de Recife entre os dias 30 e 31 de outubro de 2017.
A primeira edição do evento surgiu do encontro dos organizadores em torno da temática à luz dos campos disciplinares do Planejamento Urbano e Regional e da Arquitetura e Urbanismo e do Grupo de Pesquisa (CNPq) CILITUR – Cidades Litorâneas e Turismo das Universidades: UFPE, UFC e UFRRJ.
A relevância social do Colóquio consiste na oportunidade de discussão e de apresentação de ideias, pesquisas, análises críticas de intervenções e práticas que têm como ponto de interseção a intricada e dialética relação entre o turismo e a produção (e consumo) do espaço nas cidades litorâneas no Brasil em uma perspectiva multiescalar, que incluam processos socioespaciais regionais, metropolitanos e intra-urbanos relativos às manifestações da atividade turística nestes lugares.

Diante desse panorama diverso e complexo entre a atividade turística, as políticas públicas e seu reflexo na organização das cidades litorâneas, o I CILITUR convida pesquisadores e profissionais a contribuírem com o debate submetendo trabalhos completos para apresentação em sessões de comunicação ou pôsteres nos seguintes temas, que incluem, preferencialmente:
A) Urbanização turística
São bem vindos trabalhos que discutam os processos de urbanização turística em seus territórios em variadas escalas nas mais diferentes tipologias (segundas residências, hotelaria, resorts e empreendimentos turísticos imobiliários) e seus efeitos (morfológicos, sociais, econômicos e/ou ambientais) na produção e consumo do espaço.
B) Políticas de turismo e território
Essa tema acolhe trabalhos que buscam  avaliar o papel das políticas públicas de turismo, sejam de âmbito federal (incluindo o Prodetur), estadual ou municipal no sentido de dinamizar a atividade e sua relação com o território.
C) Turismo e conflitos socioespaciais
Trabalhos que busquem evidenciar as questões relacionadas à gentrificação e produção de ícones urbanos e arquitetônicos que promovam a visitação turística, os conflitos decorrentes dos impactos em bens ambientais e culturais e a exclusão da população autóctone decorrente do processo de gentrificação.
D) Turismo de base comunitária
Trabalhos interessados em evidenciar as iniciativas de turismo que vêm sendo desenvolvidas como alternativa ao modelo hegemônico, pautadas na participação popular, no combate à pobreza e em processos de autogestão empreendidos a partir do local, considerando as peculiaridades e as heterogeneidades do mesmo.
E) Interseção entre turismo e outras atividades
Trabalhos que enfatizam as relações entre paisagem, turismo e lazer, os conflitos com outras atividades econômicas e os usos litorâneos (pesca, porto, indústria, habitação, etc).

Submissão de trabalhos

Cilitur – I colóquio nacional sobre cidades litorâneas e turismo

URB Favelas – II Seminário Nacional sobre Urbanizaçãode Favelas

URB Favelas – II Seminário Nacional sobre Urbanizaçãode Favelas

O II UrbFavelas reafirma a ênfase na dimensão da ação e das práticas, presente desde a sua primeira edição. Isto implica o debate sobre as ações concretas e seus resultados, e indica o propósito de não ficar apenas nos diagnósticos, mas, também, de apontar caminhos, analisar, discutir e propor novas alternativas de políticas públicas para favelas. Será enfatizada uma dimensão forte de compartilhamento e divulgação de experiências, de debate das experiências associadas aos projetos, de novas metodologias, tecnologias e soluções que vêm sendo desenvolvidas, promovendo o intercâmbio entre elas e criando (ou fortalecendo) redes permanentes de diálogo entre os agentes e os pesquisadores sobre o tema. Tudo isso converge para um balanço nacional dos efeitos, avanços, limitações, contradições e fragmentações das políticas públicas para as favelas e demais territórios populares.

Em suma, o II UrbFavelas visa articular um esforço coletivo para  identificar “onde está o problema” e produzir respostas na perspectiva do reconhecimento e da afirmação do direito à cidade dos moradores de favelas e demais assentamentos populares.

Esse seminário pretende debater as características, alcances e limitações das intervenções recentes em urbanização de assentamentos precários e, em especial, renovar a reflexão acerca dos avanços e desafios da urbanização de favelas e do conjunto de medidas a ela associadas, interferindo, assim, no desenho, execução e avaliação das respectivas políticas públicas.

Objetiva, também, viabilizar a troca de experiência entre participantes e contribuir para constituição de uma rede de pesquisas sobre a urbanização de favelas e outras tipologias de assentamentos precários.

3º Seminário Urbanistas e Urbanismo no Brasil

3º Seminário Urbanistas e Urbanismo no Brasil

O Programa de Pós-graduação em Desenvolvimento Urbano (MDU-UFPE), localizado na cidade de Recife, tem a satisfação de convidar os pesquisadores da história das cidades, da arquitetura, do urbanismo e da engenharia urbana, da história das trajetórias profissionais e da história das ideias no âmbito do urbanismo e planejamento territorial, a enviarem trabalhos para o III Seminário Urbanismo e Urbanistas no Brasil, a ser realizado nos dias 4, 5 e 6 de setembro de 2017, no Museu da Cidade do Recife.

Nesta 3ª edição do Seminário, que nasceu em Brasília, em abril de 2013, o tema será URBANISTAS E URBANISMO MODERNO: TRAJETÓRIAS MÚLTIPLAS E JUÍZOS HISTORIOGRÁFICOS.

Privilegiam-se, nesse sentido, contribuições sobre agentes que perpassam mais de um campo de atuação (seja projetual, didático, teórico, legislativo, de gestão) ou que articulem mais de um campo de saber (arquitetura, urbanismo, engenharia sanitária, história, conservação, sociologia, filosofia, direito, artes), ajudando a construir uma visão de cidade ou do urbanismo sem os atuais limites disciplinares, nos levando a desafios importantes do ponto de vista crítico e historiográfico. São justamente, então, os juízos historiográficos o segundo enfoque dessa edição, para se pensar nos desafios de se estudar essas trajetórias múltiplas, abrindo-se, ainda, para a incorporação de temas como o da fortuna crítica de urbanistas e planejadores, as relações entre historiografia e ideologia, trajetórias vinculadas a regimes ditatoriais e outros urbanismos não modernistas. Buscando aprofundar questões e discussões a respeito desse amplo recorte historiográfico, indicamos duas temáticas específicas que poderão nortear os trabalhos a serem enviados para seleção e montagem das sessões de comunicação nestes eixos.

O Seminário terá o seguinte formato:

 

  • Mesas redondas com pesquisadores convidados;
  • Sessões de comunicação – compostas por autores de textos selecionados. Os textos devem apresentar os resultados de pesquisas recém finalizadas ou em estágio avançado de desenvolvimento, a serem organizados em sessões com quatro apresentações;
  • Além do Coordenador, que será um membro da Comissão Científica, cada sessão contará com um Debatedor;
  • Após as considerações do Debatedor, a discussão será aberta à participação dos autores e do público.

informações disponíveis neste link: http://3suub.lup-ufpe.net.br/